É muito comum ouvir dizer que o cão é o melhor amigo do Homem. Também não é para menos. Um ser (no caso o cãozinho) que saiu da casa onde nasceu e deixou sua cadela e seus filhotes (na maioria das vezes) para ficar ao lado de um novo ser que sequer conhece, é de admirar, não é?

E não para por aí. Nos momentos em que estamos cabisbaixos, sem ânimo, tristes, estressados ele sempre esta lá, nos esperando com seu rabo pulando de um lado para o outro, com uma vontade enorme de nos fazer feliz e de nos alegrar. O amigo verdadeiro é aquele que está presente tanto nas horas boas quanto nas ruins. O cão está sempre presente nas nossas vidas, e estão até dispostos a nos salvar para nos defender de pessoas que não querem nosso bem (como assaltantes). Ele está lado a lado com seu dono, ou melhor, mais novo amigo, tornando seu fiel companheiro.

Há muitas pessoas que quando adquirem um cachorro pensam apenas que estão fazendo um bem para elas mesmas. Puro engano. O cachorro também é muito beneficiado. Até mesmo em algumas famílias ele ganha o status de irmão caçula! E ele também tem sentimentos. Não pense que o cachorro é um objeto com o qual você brinca a hora que você quer, passeia a hora que você quer e bate nele a hora que você quer. Esse não deve ser seu tratamento em relação a nenhum animal, ainda mais do cachorro, que fez tudo o mencionado no primeiro parágrafo pra você. Se você agir com o seu cachorro como se ele fosse um objeto, ele provavelmente irá agir do mesmo modo com você. Ele será receoso na hora de lhe dar carinho, talvez não permaneça tão alegre como de costume, e pode até entrar em depressão. É isso mesmo – depressão. Pode começar a chorar ou até pode passar a te tratar como um ser estranho que feriu seu sentimento. A conseqüência disso irá aparecer na hora em que você o procurar para satisfazer suas vontades. Ele passara a agir indiferente na sua presença.

O cachorro, na maioria das vezes, como conseqüência da alegria que esta dentro deles, gosta de chamar a atenção de seu dono. Não é por maldade. Eles gostam de ser o centro das atenções, pois tem coisas a mostrar e sentimentos a transmitir. Gostam de receber carinho (quem nunca viu aquela cena do cachorro deitado com a barriga para o alto e fazendo cara de cachorro abandonado para receber um carinho?). Quem não gosta de um carinho? Até os cachorros gostam. (E gostam muito!)

Porém tem certas atitudes que não são corretas num cachorro. Podemos citar como, por exemplo: latir alto à noite, pular em cima da visita, morder sua roupa, rosnar para um estranho, fazer necessidades fora do local adequado, se masturbar na perna de visitas, entre outros. Eles não fazem isso de propósito. Mas como qualquer um necessita de educação. É necessário que o dono ensine certas maneiras. Pode ser através de gestos ou de costume. O dono também poderá fazer o método de recompensas para o cachorro a cada ato correto que ele fizer , até ele se acostumar (vide adestramento).

Entretanto, um triste fato que ocorre hoje em dia é que a maioria dos cachorros são educados através de punições. Isso não é aconselhável. Isso só ajuda a tornar o cachorro mais violento sem necessidade .(vide adestramento)

Podemos perceber que a melhor maneira de educar nosso mais novo amigo não é usando a violência. Para facilitar, podemos fazer a comparação com nossos amigos humanos. Se um deles faz algo de errado nós não batemos neles. O mesmo deverá ocorrer com o nosso cachorro.

Só não podemos nos esquecer que esse nosso amigo também precisa de certos cuidados, como por exemplo, a parte higiênica (vide saúde), a parte alimentícia (vide nutrição), o lazer (vide lazer) entre outros necessários para a vida do cachorro, afinal ele merece que cuidemos dele como se fosse um bebê ou um irmãozinho, ou melhor, ainda, nosso melhor amigo.

Para se ter uma pequena idéia sobre mais um beneficio (agora da parte biológica) que o cachorro pode causar ao seu dono é que foi comprovado recentemente que o cachorro pode ajudar a controlar a hipertensão e pressão alta causada pelo estresse de seu dono! Como? Cientistas dizem que donos de cachorro que possuíam algum parente que sofreu lesões cerebrais eram menos passiveis de sofrer estresse, enquanto aqueles que não tinham um cachorro possuíam níveis altos de estresse. Foi percebido que de alguma forma, essas pessoas que possuíam cachorro percebiam que o cachorro cuidava deles. (Dra. Karen Allen, da Universidade Estadual de Nova Iorque em Buffalo). Ela passou um ano monitorando a pressão sanguínea e o estresse de 60 mulheres e homens que estavam sob efeito de remédios para pressão alta e ao mesmo tempo cuidavam de parceiros que sofreram diversos tipos de lesões cerebrais. Metade do grupo adotou cães por 6 meses, enquanto todos os participantes continuavam cuidando de seus parceiros. Após os 6 meses a outra metade dos participantes também adotou cães. Allen ratificou que no início do tratamento, todos os participantes registraram reações similares quanto ao estresse da vida real e o estresse artificial criado em laboratório. Mas, após os primeiros 6 meses, o grupo que adotou cães teve a pressão menos alterada que o grupo sem cães, durante períodos de estresse. Além do mais, 6 meses após os cães serem doados à todos os participantes, a pressão sanguínea entre eles voltou a ser balanceada. A pressão daqueles que adotaram cães após os 6 primeiros meses, ficou idêntica à pressão dos participantes que adotaram os cães inicialmente.

E o mínimo que podemos oferecer para esse super companheiro que faz tanto por nós. Aquele que oferece aquilo que não podemos lhe dar em troca - a vida - para nos salvar. Aquele fiel amigo que está sempre pronto para nos alegrar, que gosta da gente (desinteressadamente, pois não há interesse de troca,o cão não faz tudo isso com o propósito de receber algo em troca), que não mente para nós, que está pronto a escutar nosso desabafo quando brigamos com alguém ou ouvir nossas mágoas, que está pronto a ouvir quieto nossos problemas sem sequer resmungar, aquele que nos faz despertar a criança que existe em cada um de nós (e sejamos sinceros, às vezes é bom voltar a ser criança. Isso quando se é um adulto porque para uma criança é ótimo brincar com seu cachorro), que mesmo sendo maltratado ele permanece lá, junto ao seu dono sem traí-lo e trocar de dono. Enfim, essa é uma pequena noção da grandeza do cachorro. A verdade é que somente tendo um para perceber o quanto é bom conviver com um. Caso já tenha um, acredito ser fácil compreender tudo o que foi dito neste artigo. Não se esqueçam: o cão é o melhor amigo do homem - sempre!
  
 
Educação
Para garantir o bom convívio do cachorro com seu dono são necessárias algumas técnicas de       adestramento para educar seu cão. Isso irá evitar que no futuro seu cãozinho provoque alguma situação constrangedora ou tenha um tratamento feio aos olhos de visitas e seja dito como um cão que não foi educado.

A melhor época para fazer o adestramento é no início da fase de crescimento dele, pois assim será mais fácil dele compreender quem tem o poder de voz. Aqui nos vamos mostrar algumas dessas técnicas.

Poderá ocorrer de o dono sentir dificuldade em educar seu cão. Por isso existem profissionais qualificados que poderão realizar este trabalho (mais informações durante o texto), pois não é fácil adestrar um animal, ainda mais se você vive em uma área urbana. É difícil para o cachorro, mas não é impossível. E de mera importância que seja feito o adestramento

A verdade, é que a cultura de cinofilia não é bem compreendida. No Brasil, em relação aos americanos e europeus, cujo conhecimento é mais aprofundado e respeitado, quando trabalhamos a psique do cão por via do adestramento ou um treinamento físico ou recreativo temos um serzinho mais amoroso, tranqüilo, confiante, seguro e melhor adaptado ao nosso meio, seria por isto (educação) que na Europa os cães freqüentam bares, cafés, restaurantes junto com seus donos? O que pra nós é um sonho, porém não é impossível de ser realizado.

Não é bonito ver cachorros, que na rua rosnam ou mostram os dentes para qualquer coisa que se movimenta ao seu redor, que levam os donos para passear de tanto que puxam e saem correndo na rua (parece ate que o cão manda no dono), latem por qualquer coisa, o que incomoda os vizinhos (e até a nós mesmos) e, pulam nas pessoas e se masturbam nas pernas de conhecidos, e tantos outros hábitos que conhecemos muito bem. Vale ressaltar que os adestradores não fazem milagres, logo não deixe seu cão chegar ao limite do tolerável.

Tópicos de adestramento:

Fezes e urina:

Não é difícil de ensinar qual é o lugar correto para o cachorro fazer suas necessidades. Quando você levar ele para sua casa comece deixando ele restrito a uma área (podemos aconselhar a área de empregada) coberta por jornal e somente retire ele para passear. Faça isso durante mais ou menos uma semana. Ele entenderá que somente poderá evacuar naquela área ou na rua. Aos poucos vá aumentando sua área na casa. Dificilmente ele fará necessidades em outro lugar, pois ele já criou o cantinho dele no local inicial. Caso ele não compreenda o local certo para evacuar de forma alguma bata nele ou puxe ele machucando ele. Você poderá usar sua entonação quando mostrar para ele onde ele evacuou e falar firmemente: "Não!". Não será necessário dar um longo discurso. Seja breve. Apenas diga fortemente que não.

Os cachorros evacuam de 3 a 4 vezes por dia. O aconselhável é que ele saia para passear nessas vezes. É muito ruim para o cachorro ficar o dia todo em casa. Um animal que não é acostumado e vivem em apartamentos não podem viver trancafiado.

Também se pode usar o método da recompensa caso ele evacue no local correto. Aja com entusiasmo e com palavras de confiança quando ele fizer correto e mostre decepção quando ele fizer no local errado. Assim ele irá associar recompensa a local certo de evacuar.

Devemos ser atentos aos sinais que o cão mostra quando pretende evacuar. São alguns deles: andar em voltas, ficar perto da porta, se agachar. Quando isto ocorrer em local inapropriado leve seu cachorro para o local adequado.

Obediência:

É muito feio quando o cachorro se porta de uma maneira mal educada. Não devemos puni-los para educá-los. Devemos saber que e nossa responsabilidade passar essa educação a eles. Quando eles praticam atos como rosnar, latir para estranhos, se masturbar na perna de outros, devemos chamá-los e novamente usar a entonação firme e forte: "Não!" A partir do momento que o cachorro entender que e o dono quem dita as regras e que este não tem medo dele seu cachorro irá passar a respeitar seus comandos e pedidos. O uso da violência não é recomendável, pois isso poderá transformar seu cachorro num ser violento que um dia poderá até se voltar contra seu dono.

Evitando danos e prejuízos

Isso custará um pouco de tempo, pois e necessário literalmente pegar o cachorro no flagra, afinal você não irá ensinar algo que ele ainda não experimentou, certo? Quando isto ocorrer, através de muita supervisão, novamente você deverá impor a voz e mostrar quem manda. Seja curto nas palavras e fale num tom de comando, de superioridade. Assim ele aprenderá o que é permitido a ele e o que é proibido. Se o cachorro ainda não aprendeu isso devemos tomar cuidado nas horas em que ele permanece sozinho e livre. Por exemplo, à noite, devemos estabelecer uma área na qual ele poderá se movimentar e retirar tudo o que ele poderia chegar a estragar. Devemos adaptar o local para o cachorro se adaptar ao seu costume. Você poderá usar o mecanismo das recompensas para quando ele se comportar bem, assim ele associará bom comportamento a recompensa.

Ser puxado por seu cão na hora do passeio

Quando você leva seu cãozinho para passear é você quem o conduz ou e ele quem te conduz? Ele fica te puxando o tempo todo para os lugares que ele deseja percorrer? Esse é um problema que ocorre muito e que pode trazer conseqüências como o desgaste físico e pequenos incômodos desagradáveis. Quanto antes você educar seu cão melhor será seu aprendizado. Comece em casa, aos poucos. Ande com ele e tente mostrar quem é que comanda a situação. Pouco a pouco ele vai pegando seu ritmo. É difícil quando o cão é levado ao ar livre e vê um grande campo no qual ele poderá correr. Nessa situação o deixe solto. Mas na situação de rua ele deverá acompanhar seu ritmo. Caso ele hesite em aprender tome cuidado na hora de puxar sua coleira. Lembre que há um ser com o pescoço lá e que isso poderá machucar ele. Neste caso você poderá voltar para a casa e encerrar o passeio. Ele poderá perceber que quando ele puxa a guia imediatamente o passeio é interrompido. É uma punição saudável. E seu cachorro não ficará com o pescoço todo marcado de tanto puxar a coleira.

Contratando um adestrador

No Brasil não há habilitação para adestrados, portanto qualquer um poderá ser um adestrador. O que poderá formar um bom adestrador é a experiência que ele já teve com cães. As pequenas dicas que podemos oferecer, que não são de difícil compreensão, aparecem abaixo:

-Avalie o método de ensinamento utilizado pelo adestrador. Se for utilizado o uso da violência seu cão somente poderá vir a obedecer por medo. Porém se for utilizado o método de recompensas para cada bom ato seu cachorro terá aprendido realmente o que você quer.

-Acompanhe as aulas junto com seu cachorro, pois o adestrador provavelmente lhe ensinará truques e palavras com os quais está utilizando para a educação de seu cachorro. Não aceite se o adestrador lhe impuser aulas só com o cão e sem participação do dono e quando ele o quiser devolve seu cachorro. E de mera importância a participação do dono.

Psicologia do cão

Normalmente o adestrador entende um pouco o que se passa no mundo do cão. Da mesma forma que um homem precisa de um psicólogo para resolver seus problemas e este entende um pouco do que se passa pela sua mente para tentar ajudá-lo, o mesmo ocorre com o cão. Eles compreendem que há certos tipos de comportamento do homem que são prejudiciais para a aprendizagem do animal. Produzem gestos de adestração que o animal se identifica. E são nessas condições que o dono ou o adestrador entenderá se o animal possui problemas para aprender certas maneiras de se comportar. Cada cão tem certo tipo de comportamento. Não adianta querer generalizar e achar que se um cão aprendeu de tal forma todos deverão aprender igualmente. Devemos respeitar essa individualidade do cão para resolver seus problemas. Nem todo cão é igual ao outro, mesmo pertencendo a mesma raça.
 
 
 
Nutrição
 
A IMPORTÂNCIA DA BOA ALIMENTAÇÃO
Assim como nós, seres humanos, os cães também necessitam de uma alimentação adequada para se desenvolverem melhor. A necessidade de contrabalancear nutrientes é muito importante, pois cada medida varia de acordo com o porte do cão, a idade, e o modo de vida do animal. O objetivo da nutrição é fornecer uma dieta balanceada para uma necessidade fisiológica específica e individual para cada estágio da vida e a melhora do desempenho animal. Já uma nutrição inadequada, em excesso, ou deficiente poderá trazer alterações fisiológicas, e será mais propenso ao animal problemas no organismo, além de acarretar mudanças no desenvolvimento corporal e uma má constituição óssea, obesidade, alterações reprodutivas, queda de pelos, cáries, diarréias, vômitos, entre outros.
Porém o que ocorre hoje em dia é que muitas pessoas acham que a comida caseira é a melhor opção para seu animal. Elas acham que o afeto, o carinho que elas colocaram na comida caseira é suficiente para fazer bem ao cão. Errado. Colocam temperos que não sabem que faz mal ao animal. Além do que a alimentação não é balanceada para o cachorro e sim para o ser humano. Não podemos dar a mesma coisa que comemos para eles, pois é claro que eles possuem um metabolismo diferente do nosso.
Por isso o mais aconselhável é o uso de rações. Elas são feitas de acordo com o metabolismo do cachorro. Não fazem mal (se dadas na quantidade certa). Ao contrário, fazem muito bem ao cachorro. Promovem um bom desenvolvimento e previne doenças, pois assim como nós o cachorro bem alimentado possuirá seu sistema imunológico forte (sistema de defesa do corpo). A ração traz os nutrientes adequados para seu cachorro. (Possui uma quantidade certa de vitaminas, gorduras, carboidratos, treze vitaminas, e vinte minerais). Procure uma marca de ração confiável.
 
DESMAME
O filhote deve deixar de mamar na sua mãe por volta de 4 a 6 semanas do seu nascimento. Caso o filhote deixe de mamar antes deste prazo há que ter cuidado, pois isso poderá levar a falta de nutrientes necessários para sua fase de crescimento, como por exemplo, o colostro, que é um leite rico em anticorpos que a mãe passa para o filho através de seu leite. Caso ocorra da mãe do filhote não ter mais leite é possível substituir com um leite próprio para a alimentação de filhotes que vende nos mercados, porém o aconselhável é procurar um veterinário. Quando se passar este período, o filhote deverá começar a se acostumar a ficar sem as tetas da mãe. Seus dentes começam a brotar e a mãe se sente desconfortável em alimentá-los e procura se mantiver distante de seus filhotes. O primeiro passo é colocar uma papinha de algum produto específico que vende no mercado, ou fazer uma papinha com ração amolecida e leite, e dar para o cachorro. O dono deverá dar para o cachorro até ele se acostumar com o local que a papinha é colocada. (O filhote é encorajado a lamber, ou o alimentador, no caso o dono, coloca o dedo no mingau e depois dentro da boca do filhote.) Deve ser dada uma vez ao dia. Pouco a pouco aumente a freqüência das papinhas até chegar em 4 ou 5 vezes ao dia. É normal que os filhotes, nos intervalos das papinhas procurem a mãe para mamar um pouco.(Não impeça este contato pois se houver leite dentro da cadela e não for usado, este poderá petrificar e trazer certas inflamações para ela. (mastite). Quando chegar nos 45-50 dias de idade o filhote poderá ser separado de sua mãe. E de pouco em pouco poderá começar a introduzir a ração normalmente.(vide quantidade de ração de acordo com a idade).(Há que prestar atenção ao nascimento dos dentes.)
 
ACOSTUMANDO O CÃO COM A RAÇÃO
É de mera importância fazer seu cãozinho se acostumar com a ração. Geralmente eles não exitam em comê-la, porém como toda regra tem exceção sempre aparece um ou outro que exita em comer a ração. Caso isso ocorra o primeiro passo é não atender as vontades do cachorro. É você quem manda, então, assim como uma criança que quer comer doce o dia todo e você não o dá, deverá ser assim com o cão. Você não dará a comida que ele quer, e sim a melhor comida para ele, no caso a ração. O ideal é que o filhote, assim que deixar de mamar, passe direto a comer a ração. Você poderá umedecer um pouco para facilitar sua mastigação. Se o animal não tiver o contato com a comida caseira será muito mais fácil de acostumar com a ração. Caso seu animal já tenha se acostumado com a comida caseira tente mudar aos poucos sua alimentação. Troque aos pouquinhos certos alimentos pela ração. No caso do seu cão fazer greve de comida, esperando que seu dono vá aparecer com uma deliciosa refeição caseira, pode ter certeza de que ele não irá resistir por mais de dois dias sem comer. Tente achar a ração adequada a ele, pois hoje em dia há várias opções de sabores. Pode ocorrer de seu cão estar velhinho e não ter a força nos dentes para mastigar a ração. Você poderá oferecer a ração enlatada, que é macia.
 
MÉTODOS ALIMENTARES
Ha dois métodos os quais você poderá utilizar para alimentar seu cão. O primeiro método (vamos chamar de A) e aquele que você deixa a comida disponível para o seu animal podendo ele comer a hora que ele quer. O segundo método (vamos chamar de B) e aquele que você regula a hora da comida. Vamos analisar as vantagens e desvantagens do método A. Suas vantagens: com a comida disponível seu cão não irá ficar ansioso e ficara conseqüentemente mais tranqüilo. Saberá que quando sentir fome ele encontrara a comida disponível para ele. Tornará seu cão mais dócil. Suas desvantagens: Caso seu cão possua anorexia esta não será diagnosticada, alem da obesidade. Este método só e recomendado a partir de filhotes que já alcançaram praticamente sua totalidade do peso adulto considerado ideal para tal idade. Já o método B possui as seguintes vantagens: e o método mais recomendado pois o dono terá o controle da quantidade e das horas da refeição de seu animal. Alem disso se seu cachorro sofrer algum tipo de distúrbio será mais fácil de perceber. E somente uma questão de acostumar seu animal com os horários das refeições, pois assim ele não ficara te suplicando comida no intervalo delas.
 
QUANTIDADE DE RAÇÃO DE ACORDO COM A IDADE
Ate os 12 meses de vida - de 3 a 5 vezes ao dia, com pequenas quantidades e coma ração ideal para seu cachorro. Quando o filhote nasce e indispensável que ele mame durante 5 ou 6 semanas, pois assim ele terá a fonte de cálcio e vitaminas que são necessários para seu crescimento. Caso ele não tenha essa fonte lactea com a mãe ele poderá sofrer de uma doença denominada raquitismo causada pela falta de cálcio e vitamina.
E aconselhável que se faca uma consulta ao veterinário pois ele poderá indicar precisamente qual e o tipo ideal de ração a ser dada ao seu cachorro de acordo com o peso e seu metabolismo. Estes são (dados genérico-abrangentes.)
Adultos - Podem variar de 1 a 3 refeições ao dia com uma quantidade normal de ração. O cachorro quando vai crescendo passa a diminuir a quantidade de refeição. Para facilitar seu cãozinho você poderá gradativamente, a partir de 1 ano de idade, diminuir a quantidade de ração.
Cães policiais, cadelas que estão amamentando, enfim cães que necessitam de grande teor de energia deverão ser bem alimentados. No caso voe poderá aumentar para ate 4 vezes ao dia sua alimentação. São cães que gastam muita energia alem do normal e por isso necessitam de mais energia na fonte alimentar. As cadelas em fase de amamentação deverão comer ração para filhotes quando se passam 30 dias da sua iniciação láctea. Isso aumenta sua vida reprodutiva.
 
TIPOS DE RAÇÃO
Existem vários tipos de rações atualmente. Classificamos elas em 3 grupos genericamente.
a) Populares - São rações que vendem no mercado que possuem um preço mais acessível no mercado. Basicamente sua formula possui subprodutos de milho, soja, algodão, entre outros. Não e o, mas adequado para o cachorro, pois este precisa digerir alimentos feitos a base de proteína animal, e no caso este tipo de ração sugerido para animais de porte igual ao do cavalo. Esse tipo de ração faz mal ao cachorro, pois ele não consegue digerir e assimilar os nutrientes necessários.
b) Standard - Esse tipo de ração aparece em marcas que tentam atingir um publico alto através da mídia. Porem esse produto ainda não chega a ser o ideal para o cachorro, apesar de ser feito a base de farinha de carne e ossos, glúten de milho, gordura animal, entre outros. Em comparação ao Popular este produto e melhor, mas não e o ideal para o cão. Este sentira dificuldades na digestão e ainda não assimilara os nutrientes necessários.
c) Premium - São as rações mais caras. Porem são as melhores para a nutrição dos cachorros. Sua formula e feita à base de carne de frango, ovelha, peru, entre outros. Não são subprodutos. É carne em primeira mão, o que faz aumentar a qualidade deste tipo de produto. Esses ingredientes são de origem animal, ou seja, e exatamente o que o cão necessita para suprir as necessidades de seu organismo, alem do seu metabolismo que funcionara muito bem. Necessitamos estar atentos ao percentual dos ingredientes, pois, por exemplo, uma ração para cachorros deve ter, no mínimo, 18% de proteína. O que é muito relativo, pois carne é fonte de proteína, assim como pena da galinha também e. Carne é bem mais digerível que pena. Ha também outro detalhe, que é o equilíbrio entre percentuais de proteína e gordura. Não é eficiente uma ração com 30% de proteína e 8% de gordura, nem outra com 18% de proteína e 20% de gordura. Preste atenção nestas taxas que precisam ser contrabalanceadas. Por isso olhe sempre a embalagem na parte de informação nutricional.
 
 




Telefones:  (11) 9 8323-2253 (TIM) Whats App (11) 9 6902-2607 (Vivo)

(15) 3249-2314

e-mail adell1703@hotmail.com

ou

contato@canildellpropuppies.com.br


  Site Map